Vulnerabilidade externa e endividamento interno: uma interpretação keynesiana sobre as origens da dívida interna brasileira

Carlos Alberto Lanzarini Casa

Resumo


A associação entre vulnerabilidade externa e endividamento interno, dentro de uma perspectiva keynesiana para o caso da dívida interna brasileira, origina-se das comparações entre as análises de Keynes sobre a crise alemã dos anos 20 e os processos de endividamento externo e interno brasileiro nos anos 80 e 90. Daí a constatação da relação direta entre desequilíbrio interno oriundo de um desequilíbrio externo, conforme afirmado por Keynes. O mecanismo de transmissão desse processo, no caso brasileiro, correspon-deu às operações de esterilização, um instrumento da política monetária, cuja prática se dava através de elevadas taxas de juros. A eclosão, nessas décadas, das crises agudas de vulnerabilidade externa estratificou-se como o retrato do estrangulamento das finanças públicas proveniente da incidência cumulativa de juros sobre a rolagem da dívida interna, independente de qualquer motivação concreta de alguma suposta expansão fiscal primária.

Texto completo:

PDF


Apoio

Capes CNPq Fapesb